5 maio

Saiba como diferenciar corretamente os termos LER e DORT

O termo DORT, ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, foi introduzido no Brasil em 1998 pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Desde então, ele passou a ser clinicamente equiparado a outro termo: LER, ou Lesão por Esforço Repetitivo. Qual, então, a diferença prática entre os dois termos – e por que utilizamos, paralelamente, os dois?

A resposta está na causa de cada transtorno, em cada pessoa, e não na sua consequência. Os dois termos só são equivalentes quando se estabelece a relação trabalho-lesão: ou seja, quando se comprova a influência direta da função exercida pelo trabalhador na sua incapacitação.

Uma LER pode ser causada em diversas situações. Uma lesão causada pela repetição excessiva de movimentos de um atleta amador, por exemplo, qualifica-se como Lesão por Esforço Repetitivo. Isto independe do fato de que este atleta, em questão, seja operário em uma fábrica de calçados e esteja impossibilitado de trabalhar.

Além disso, alguns tipos de LER – como a tendinite, por exemplo – podem ser causados por fatores específicos, como doenças infecciosas, distúrbios hormonais, etc. Por isso, é fundamental que se procure um especialista à medida em que os sintomas são percebidos, a fim de evitar uma confusão de conceitos.

Portanto, os fatores que levam ao desenvolvimento de uma LER ou de uma DORT são os mesmos: movimentos repetitivos, sob alta frequência, realizados em posições ergonômicas desfavoráveis. Contudo, as DORTS são comprovadas somente através de uma inspeção do ambiente de trabalho – e, quando confirmadas, exigem ações completamente diferentes no que diz respeito ao tratamento e compensações. Confira abaixo algumas dicas para a prevenção das DORTS:

1 Organize a sua mesa de trabalho

 

 

Todos os dispositivos necessários para a realização do seu trabalho devem estar ao alcance das suas mãos. Evite esforços desnecessários, como curvaturas e alongamentos exagerados em função da distância entre as suas mãos e a sua mesa.

Além disso, seu mobiliário deve ser adaptado às necessidades individuais dos funcionários: todos precisam poder movimentar as pernas com liberdade, por exemplo, independente da altura que possuam.

2 Movimente-se durante as suas pausas

 

 

Intervalos são fundamentais para o bem-estar e produtividade do funcionário. Durante este tempo, procure se movimentar e alongar o seu corpo – especialmente nos lugares mais ativos, como os braços. Procure, ainda, caminhar para ativar os músculos adormecidos e dissipar a tensão.

Author:
Tags: , ,

POSTS RELACIONADOS

20 abr

O papel da ginástica laboral na prevenção de LER/DORT

Conheça as vantagens de promover práticas como a ginástica laboral e compor o ambiente de trabalho com ergonomia.

Leia mais
21 jul

Pequenas pausas durante o expediente aumentam o foco

É comum que um funcionário com uma jornada de 8 a 10 horas diárias não consiga manter o mesmo foco durante todo o tempo.

Leia mais
22 dez

Criar ambientes de descontração no escritório também é ergonomia

Fazer pausas no trabalho para a descontração e poder desopilar em um ambiente agradável aumenta a produtividade e a qualidade de vida de uma equipe.

Leia mais